Conto: Equecimento

Todos os dias passam por mim muitas pessoas que ignoram minha existência ou simplesmente não percebem que estou ali. Isso tem algumas vantagens, como, por exemplo, sempre sei as notícias em primeira mão e ninguém nunca me incomoda se eu permaneço lá no meu canto, como se não existisse. No entanto, isso se mostrou uma desvantagem em um certo dia. Jamais esquecerei os horrores visto naquele lugar e tudo por causa de minha curiosidade. Contarei a seguir o desenvolver dos fatos.
Era dia normal, como qualquer outro naquela cidade, eu estava novamente sendo ignorada
naquele meu canto quando passou um grupo de homens conversando em um dialeto diferente do meu. Eu nunca havia visto estrangeiros na cidade, portanto, resolvi segui-los. Mal sabia que a conversa era sobre morte e destruição em massa.
Eles seguiam para a cidade vizinha, pude identificar o nome da cidade. Assim que soube que iriam para aquela cidade, resolvi tomar um atalho e ver o que pretendiam.
Eles estavam com um meio de transporte que nunca havia visto, portanto, chegaram antes de mim. Não sei se foi sorte ou azar isso, pois pude presenciar do meu esconderijo a detonação de inúmeras bombas naquela cidade. Aquilo gerou uma nuvem de fumaça tão espessa que continuou avançando para onde eu estava escondida, então tive que correr em direção a uma ponte que havia perto. Quando finalmente a alcancei vi a nuvem de fumaça se desvanecer e os estrangeiros rindo e comemorando. Curiosa me aproximei para ver a cidade. Tudo estava destruído.

Pergunto-me o porquê da minha curiosidade ser maior que meu medo até hoje.

Não contente com a destruição vista de longe me aproximei e adentrei na cidade. Preferia não ter visto nada daquilo.
Haviam partes de corpos espalhados pela rua, ou o que sobrou dela. Quando se encontrava corpos inteiros e com pele, ele logo começava a se desfazer na minha frente. Quis correr mas minhas pernas não se mexiam, tinha medo de que houvesse uma segunda detonação, pois já haviam chegado muitos curiosos como eu naquela cidade. Por fim, continuei a adentrar naquele show de horrores e vi, quase saindo da cidade, algo estranho que não sei se foi ilusão.
Em uma casa tinham duas pessoas. Uma criança brincava com uma bola colorida e um velho estava sentado em um canto. A criança deixou a bola escapar então fui pegar para ela, achando muito estranho eles estarem ilesos. Quando capturei a bola ela fez algo estranho e fugiu da minha mão indo parar nas do velho e, assim que ele a tocou ela começou a ficar com aspecto envelhecido até que esvaziou.
Virei-me para perguntar à criança o porquê daquilo ter acontecido, mas ela havia sumido. Me virei para o velho e ele me disse algo que sei que era muito importante, mas não consigo me lembrar e desapareceu.
Quando dei por mim estava desmaiada fora da cidade. Alguns dias depois eu soube o motivo da destruição daquele lugar.
Tudo ocorreu devido a seu desenvolvimento crescente que estava se destacando e chamando a atenção das nações vizinhas. Para que não houvesse uma guerra, nossa nação entrou em acordo com as outras e resolveu destruir o foco de discórdia acompanhado de milhares de vidas inocentes.
Entre outras palavras, nossa nação nos traiu por um bem maior, segundo eles. Essa traição era para ser mantida em sigilo, algo que não aconteceu e isso acabou por gerar uma guerra civil culminando na queda do imperador e morte da família real.
Mas ainda hoje, sonho com aquele dia e tento me lembrar do recado importante que me foi dado.

Anúncios